• Instagram Querida Ansiedade
  • Youtube Querida Ansiedade
  • Pinterest Querida Ansiedade
  • Facebook Querida Ansiedade

Querida Ansiedade® | 2016-2020 | Todos os direitos reservados

  • Camila Wolf

Como saber se a ansiedade afeta negativamente sua relação


4 sinais que você pode observar em si mesma(o) para evitar que a ansiedade atrapalhe seu relacionamento



Nessa semana fui convidada para fazer uma transmissão ao vivo com a querida psicóloga Ms. Luiza Colmán no canal dela do Youtube para falar sobre como a ansiedade pode estar afetando negativamente seu relacionamento.


Por isso, vou listar exclusivamente para você alguns sinais que você pode observar em si mesma(o) para evitar que isso aconteça:


1 - Você desconfia do seu parceiro (ou parceira)

Uma relação envolve confiança e quando você fica ansiosa(o), se preocupa com todos os cenários negativos que podem acontecer e pode reagir de forma relutante a acreditar que a outra pessoa está falando a verdade.

A ansiedade afeta também a sua autoestima e muitas vezes, pode se pegar pensando:

“por que ele (ou ela) está comigo?”.

Como se você não fosse interessante o suficiente para o outro gostar de você.

E isso nos leva ao segundo item:


2 - Idealizar o outro


Com a autoestima baixa, é natural que você endeuse a outra pessoa, como se ela fosse o melhor ser humaninho do universo. Mas não é… E nem deveria ser.

A outra pessoa é, assim como você, cheio de qualidades e defeitos, certezas e inseguranças.

Colocar o outro num pedestal pode te deixar mais ansioso, com medo de ser abandonado e assim entrar num loop infinito de sofrimento.


3 - Você tem dificuldade em estabelecer limites


Quando você se preocupa muito com as coisas, acaba não tendo clareza daquilo que realmente é importante para você. Vira uma mistura entre aquilo que é seu, o que é do outro, os pensamentos que você tem, com as vozes dos seus pais, professores, amigos e ex na cabeça…


Fica um emaranhado de pensamentos e não sabendo diferenciar o que é seu, torna-se complicado colocar limites. É como um adolescente que vai beijar pela primeira vez e logo surgem várias vozes na cabeça:

“com língua? meu amigo disse que não pode babar! mas o outro disse que beijo seco é ruim! e o abraço? pode apertar? ou deixo meio solto pra não parecer desespero?”.

Saber o que é seu às vezes leva tempo e experiência. Mas quanto mais consciente você estiver, mais fácil fica para colocar as suas regras.


4 - Você se comporta de forma egoísta


Por falar em regras, não é só a sua que deve ser respeitada, mas a do seu parceiro (ou parceira) também.


Quando estamos ansiosos, preocupamos muito com as coisas que nos trazem sofrimento. Preocupamos com aquilo que nos dá medo e com o foco voltado para dentro, fica difícil perceber as necessidades de quem está ao nosso lado.


Conheço muitas pessoas diagnosticadas com transtorno de ansiedade e que vivem entrando em enrascada tentando ajudar ao próximo.

São pessoas generosas e conscientes, mas que sem querer, absortas em seus próprios medos, agem exatamente como não queriam: de forma egoísta.

Por isso, sempre siga estas dicas:

  • Observe um pouco mais a necessidade do seu parceiro (ou parceira).

  • Tire um tempo para ouvir e lembre-se que o mundo dele (ou dela) não gira em torno de você (e nem deveria).

Talvez consiga perceber que ele (ou ela) também sente medo. Também se sente inseguro(a).

Para entender mais, assista o vídeo abaixo.


Nós conversamos durante 50 minutos e abordamos outros temas além de responder perguntas, claro (adoro responder perguntas rs).


Ah! E quero só te lembrar que as inscrições para Jornada de Educação Emocional começam em breve e para saber mais, é só clicar aqui.